Entre em contato conosco


Colunistas

Como identificar a depressão em crianças pequenas

Published

on



Neste período tão extremado que estamos vivendo devido à pandemia de Covid-19, os pais têm carregado pesados ​​fardos de estresse e responsabilidade, preocupando-se consigo mesmos, mas também observando as dificuldades dos filhos, e existe uma preocupação mundial com a depressão entre os jovens.

Mas não são apenas os adultos, os jovens e os adolescentes que estão sofrendo com este longo perído de isolamento social a que fomos submetidos; crianças pequenas também podem ter depressão, mas pode parecer muito diferente, o que torna difícil para os pais – ou médicos – reconhecê-la e fornecer ajuda.

Imagem de Bessi por Pixabay

Para a Dra. Rachel Busman, psicóloga clínica do Child Mind Institute, na cidade de Nova York, pode ser difícil pensar sobre depressão em crianças mais novas porque imaginamos a infância como um período de inocência e alegria.

Mas é importante saber que até dois a três por cento das crianças de seis a 12 anos podem ter depressão grave, segundo Busman. E crianças com transtornos de ansiedade, que estão presentes em mais de 7% das crianças de três a 17 anos, também correm o risco de desenvolver depressão.

Imagem de Shlomaster por Pixabay

A depressão foi originalmente concebida como um problema adulto. A Dra. Maria Kovacs, professora de psiquiatria da Escola de Medicina da Universidade de Pittsburgh, disse que nas décadas de 1950 e 60, havia psiquiatras infantis que acreditavam que as crianças não tinham desenvolvimento do ego suficiente para sentir depressão, mas que pesquisas realizadas por ela e outros colegas nos anos 70 mostrou que “crianças em idade escolar podem sofrer de depressão diagnosticável”.

Antes da adolescência, a depressão é igualmente comum em meninas e meninos, embora entre os adolescentes seja duas vezes mais comum em meninas, e essa predominância perdura durante a maior parte da vida adulta, até a velhice, quando novamente parece se igualar.

Como é a depressão em crianças pequenas?

Segundo a Dra. Kovacs, quando crianças pequenas estão deprimidas, não é incomum que “o humor primário seja irritabilidade, não tristeza; a criança fica muito ranzinza”. E as crianças são muito menos propensas a entender que o que estão sentindo é depressão ou a identificá-la dessa forma.

“Quase nunca acontece que elas digam: ‘Algo está errado porque estou triste’”, disse Kovacs. Cabe aos adultos procurar sinais de que algo não está bem, disse ela.

A melhor maneira de os pais reconhecerem a depressão em crianças pequenas não é tanto pelo que a criança diz, mas pelo que ela faz – ou para de fazer. Procure por “mudanças significativas no funcionamento”, disse a Dra. Kovacs, como “se uma criança para de brincar com suas coisas favoritas, para de responder ao que costumava responder”.

Isso pode significar que a criança perde o interesse pelos brinquedos, jogos, piadas ou rituais que costumavam ser divertidos, ou que não parece interessada nas habituais idas e vindas da vida familiar.



Imagem de Khusen Rustamov por Pixabay

“Você tem um filho que era de um jeito, e então você vê que ele está mais irritado e triste”, disse o Dr. Egger, que agora é o diretor médico e científico da Little Otter, uma nova empresa online de saúde mental para crianças.

As crianças podem parecer chateadas, ter menos energia ou cansar-se facilmente. E podem começar a reclamar de sintomas físicos, especialmente dores de estômago e de cabeça. Elas podem dormir mais – ou menos – ou perder o apetite.

Como o tratamento pode ajudar?

“Os pais devem levar muito a sério os sintomas da criança”, disse o Dr. Jonathan Comer, professor de psicologia e psiquiatria da Florida International University. “Em formas sérias, eles aumentas como uma bola de neve com o tempo, e o início mais precoce está associado a resultados piores ao longo da vida.”

Em um estudo longitudinal de 2016, a Dra. Kovacs e seus colegas traçaram o curso da depressão começando na infância e encontraram episódios recorrentes na vida adulta.

Portanto, se você notar mudanças como abstinência de atividades, irritabilidade ou tristeza, fadiga ou distúrbios do sono que persistem por duas semanas, considere a avaliação da criança por alguém que esteja familiarizado com problemas de saúde mental em crianças dessa idade.

Imagem de kone kassoum por Pixabay

Comece com seu pediatra, que saberá sobre os recursos disponíveis em sua área.

Os pais devem insistir em uma avaliação abrangente da saúde mental, disse o Dr. Busman, incluindo a coleta da história dos pais, passar um tempo com a criança e conversar com a escola. Uma avaliação deve incluir perguntas sobre sintomas de depressão, bem como procurar outros problemas, como transtorno de déficit de atenção e hiperatividade ou ansiedade, que podem estar na raiz do sofrimento da criança.

A depressão não se presta necessariamente a explicações simples de causa e efeito, mas a Dra. Kovacs enfatizou que, no primeiro episódio em uma criança, quase sempre há um estressor específico que desencadeou o problema.

Pode ser uma mudança na constelação familiar – um divórcio dos pais, uma morte – ou pode ser algo mais sutil, como uma ansiedade que saiu do controle. Se uma criança começa a terapia, parte do tratamento será para identificar – e falar sobre – esse estressor.

“Os pais devem ver as dificuldades dos filhos como oportunidades de intervenção”, disse o Dr. Comer. “A maioria dos problemas de humor na primeira infância desaparecerá com o tempo, cuidados parentais sensíveis e ambientes de apoio”.

The New York Times



A empresa Paranaíba Agora surgiu há cinco anos para levar a informação séria, responsável para a sociedade rio paranaibana. Aos poucos, foi ganhando espaço e passou a ser o principal veículo de comunicação online em Rio Paranaíba. Além do portal de notícias que já atingiu mais de 5 milhões de acessos, a empresa ainda realiza outros serviços de marketing para empresas. Nossa linha editoral é de sempre trabalhar com a verdade dos fatos, pautando pela seriedade e respeito com ambas as partes da história.

Publicidade

Previsão do tempo

Siga-nos nas redes sociais

Cotação do Café

Últimas notícias