Entre em contato conosco


Carmo do Paranaíba

Operação ‘Muralha’ realiza prisões no Triângulo e Alto Paranaíba

Published

on

Mandados de prisão são cumpridos em cidades do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba pela Operação “Muralha”, deflagrada pela Polícia Civil nesta quinta-feira (3). A ação, coordenada pela polícia de Montes Claros, no Norte do Estado, visa combater uma organização que comanda ações criminosas de dentro de presídios em Minas Gerais e no Paraná.

Dez cidades estão envolvidas e 38 pessoas já foram presas durante a manhã, segundo a Polícia Civil.

Em Uberlândia, uma mulher de 31 anos e uma jovem de 22 anos foram detidas por meio de mandados de prisão preventiva por envolvimento com crime relacionado com drogas, praticado pelo marido da mulher, que está preso.

A prisão delas foi feita por uma equipe da Delegacia de Homicídios coordenada pelo delegado Eduardo Fernandes Leal. Elas estão sendo ouvidas e serão transferidas para o Presídio Professor Jacy de Assis.

Segundo investigações, o homem que está preso na cidade de Francisco Sá, no Norte de Minas, teria o apoio das duas em práticas ilícitas em Uberlândia.


Região

Em Uberaba, duas pessoas foram presas, uma do sexo masculino e outra do feminino, e não tiveram as idades divulgadas. Um terceiro alvo ainda não foi encontrado.

Em Patrocínio, foram cumpridos 13 mandados de prisão contra integrantes e possíveis participantes da organização que atua de dentro dos presídios. Todos já se encontravam presos em Patrocínio.

Um outro mandado de prisão foi cumprido em Carmo do Paranaíba. O procurado estava nas ruas e foi preso sem resistir à abordagem. As idades também não foram reveladas.

Investigações

Segundo as primeiras informações da Polícia Civil, as investigações apontaram que integrantes de uma organização criminosa davam ordens de dentro de unidades prisionais para execução de vários crimes, como roubo de cargas milionárias e a venda de drogas.

Ainda de acordo com as investigações, que tiveram participação do sistema prisional, o grupo criminoso chegou a ordenar o assassinato de agentes penitenciários. Foram expedidos 51 mandados judiciais, 40 de prisão e 11 de busca e apreensão.

Fonte: G1

Um site de notícias de Rio Paranaíba e região com precisão e responsabilidade.