Mesmo com um a mais, Cruzeiro é derrotado pelo Fluminense no Maracanã

Assim como na estreia, o Cruzeiro se mantém no Campeonato Brasileiro diferente do que o torcedor imaginava. Em jogo de experiência contra juventude, a equipe de Mano Menezes não conseguiu superar os meninos de Abel Braga que, mesmo com um a menos, venceram a Raposa por 1 a 0, neste domingo, no Maracanã, pela segunda rodada do torneio nacional.

O artilheiro tricolor na temporada, Pedro marcou o gol da partida aos 3 minutos do segundo tempo.

Muito antes disso, aos 15 minutos da etapa inicial, o Fluminense perdeu Gilberto, expulso por dura falta em Sassá. O atacante do Cruzeiro avançava pelo meio em uma tentativa de ataque, mas foi interceptado com uma voadora na cabeça do lateral-direito tricolor. O árbitro entendeu que o tricolor entrou de forma temerária no lance e mostrou o cartão vermelho direto.

Mesmo atuando com um jogador a mais em quase toda a partida, o Cruzeiro não conseguiu abrir o placar no primeiro tempo, nem buscar o empate na etapa complementar.

Na terceira rodada do Brasileirão, o Cruzeiro buscará a reação em Porto Alegre, diante do Internacional, domingo, às 19h, no Beira-Rio. Mas, antes, a Raposa tem compromisso pela Copa Libertadores. Na quinta-feira, às 19h15, o time celeste encara a Universidad de Chile, no Mineirão, buscando a primeira vitória também na competição internacional, pela quarta rodada do Grupo 5.

O jogo

O Cruzeiro começou a partida dominando no Maracanã. Aos 9 minutos do primeiro tempo, Mancuello obrigou Júlio César a fazer a primeira defesa do Fluminense. Aos 15 minutos, a expulsão de Gilberto interceptando um ataque de Sassá parecia facilitar ainda mais a vitória da experiente equipe celeste diante do jovem time tricolor.

A Raposa, no entanto, não aproveitou a partida com um a mais e perdeu para a vontade da equipe tricolor em campo. Lucas Silva chutou a segunda bola celeste para o gol apenas aos 39 minutos de jogo. Aos 42 minutos, Renato Chaves recebeu o primeiro cartão amarelo do jogo, quebrando contra-ataque de Marcelo Hermes.

O primeiro tempo terminou com o Cruzeiro tendo 58% de posse de bola, com três finalizações ao gol e uma para fora. Fábio sequer foi acionado em campo até o intervalo, vendo Dedé fazer todo o serviço da defesa ainda na zaga. Ainda assim, a equipe do Fluminense conseguiu abafar as chances celestes.

O técnico Mano Menezes esperou o intervalo do jogo para mexer na equipe. Com um a mais, o treinador promoveu a entrada do estreante David no ataque, tirando o volante Lucas Silva de campo. A ideia era dar mais velocidade e habilidade ao time, impondo mais ritmo ao ataque e aproveitando os espaços dados ao Fluminense, que estava com um homem a menos.


Mas a proposta foi quebrada com 3 minutos de jogo, quando o Tricolor abriu o placar com gol de Pedro em jogada de bola parada: cobrando falta cometida por Henrique em Ayrton Lucas, Sornoza manda na área, Gum desvia e Pedro finalizou de cabeça.

O Fluminense abriu o placar em uma jogada que mostra que a técnica usada por Abel Braga para a partida com um jogador a menos foi melhor que a de Mano Menezes, com um a mais: o Tricolor, esperto, usa de uma das poucas táticas de quem joga com um homem a menos em campo: as bolas paradas. Deu certo, deu gol.

Depois de tomar o gol, o Cruzeiro pressionou o Fluminense, mas os contra-ataques tricolores pareciam dar mais efeito do que as tentativas celestes que, embora permanecesse mais tempo no ataque, não conseguia chutar ao gol de Júlio César.

Aos 15 minutos, as equipes trocaram simultaneamente: no Flu sai Marcos Junior para a entrada de Pablo Dyego, no Cruzeiro saiu Mancuello para a entra Arrascaeta. A opção de Arrascaeta foi mais uma tentativa de aproveitar a vantagem numérica em campo no Maracanã. A equipe celeste melhorou em campo, diminuindo os contra-ataques do mandante, mas seguiu parando nas mãos do goleiro Júlio César.

Aos 32 minutos, o Cruzeiro teve a melhor chance do jogo até então: dentro da área, Dedé cabeceia para o meio, David, tenta o chute, acerta a trave. A bola volta em Dedé que chuta, Frazan evita o gol em cima da linha, Léo tenta mais uma vez, mas Gum afasta de vez o perigo.

O juiz deu 8 minutos de acréscimo devido às paradas ao longo da etapa complementar e as muitas substituições. O tempo extra foi de pressão do Cruzeiro, que obrigou Julio César a fazer grandes defesas, mas em vão para a equipe celeste, que deixou o Maracanã mantendo o tabu de nunca ter vencido desde a sua reforma para a Copa do Mundo 2014.

Ficha técnica 

Fluminense 1 x 0 Cruzeiro

Fluminense: Júlio César; Renato Chaves, Gum, Frazan e Gilberto; Jadson, Richard, Sornoza e Ayrton Lucas; Marcos Junior (Pablo Dyego) e Pedro (Douglas). Técnico: Abel Braga.

Cruzeiro: Fábio; Lucas Romero, Dedé, Leo e Marcelo Hermes; Henrique e Lucas Silva (David); Robinho, Thiago Neves e Mancuello (Arrascaeta); Sassá. Técnico: Mano Menezes.

Motivo: 2ª rodada do Campeonato Brasileiro
Data e horário: 22 de abril de 2018, domingo, às 16h
Local: Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ)

Gol: Pedro (3’/2º)

Cartão Amarelo: Renato Chaves, Pedro e Júlio César (Fluminense); Arrascaeta e Dedé (Cruzeiro)
Cartão Vermelho: Gilberto (Fluminense)

Árbitro: Flávio Rodrigues de Souza (SP/CBF)
Assistentes: Alex Ang Ribeiro (SP/CBF) e Tatiane Sacilotti dos Santos Camargo (SP/FIFA)

Fonte: Itatiaia