Um homem 28 anos acabou preso por estelionato na noite desta quinta-feira (16) em Rio Paranaíba. De acordo com informações da Polícia Militar, testemunhas relataram através do 190 que um indivíduo em um automóvel VW/Saveiro de cor vermelha estaria na zona rural comercializando alguns livros com uma conversa estranha.

Neste momento, durante o deslocamento dos militares para comunidade de Palmeiras, os policiais deparam com o autor identificado como Gilmar na chegada da cidade, sendo o mesmo conduzido até o quartel para que fosse esclarecido os fatos. Uma guarnição deslocou até a zona rural e em diálogo com alguns moradores, descobriu-se que o autor ofereceu alguns livros para a vítima, cobrando uma taxa de 20 reais de adesão e repassando os tais livros por 468 reais.

Assim, a Policia Militar recebeu a informação de que na semana passada algumas pessoas estiveram nas escolas de Rio Paranaíba dizendo que iriam sortear uma coleção de livros. Eles pediram para que os alunos preenchessem uma ficha que solicitava os dados completos como nome, filiação, endereço e telefone.

Continua depois da publicidade

Ainda de acordo com as informações, esses autores realizaram o tal sorteio, porém, não destruíram as fichas preenchidas pelos alunos. De posse desses dados, os pais dos alunos foram procurados e informados de que seus filhos teriam sido sorteados para ganhar uma bolsa de estudos do Governo Federal e que eles precisavam comprar a coleção de livros para fazerem os exercícios dessa bolsa de estudos.

Eles ainda disseram, de acordo com as informações, que o Governo Federal teria pago a metade dessa bolsa ficando a outra parte para os pais. Algumas pessoas acabaram caindo no golpe e acabaram comprando os tais livros e assinaram notas promissórias em branco, além de uma declaração, a qual não foi explicada o seu teor.

Diante dos fatos, todo o material foi apreendido e o automóvel do autor, natural de Santa Maria do Salto no Vale do Jequitinhonha foi removido para o pátio credenciado do Detran. Já o autor não apresentou a documentação do material que estava vendido e nem da empresa para qual trabalha. E por este fato, ele acabou conduzido para a Delegacia da Polícia Civil em Patos de Minas para as demais providências cabíveis.

Atualizada em 17 de agosto de 2018, às 07h51 para correções de informações.

Texto: Gilberto Martins

Share.

Comments are closed.