Entre em contato conosco


Lagoa Formosa

Após reunião nesta terça (28) professores das escolas estaduais de Lagoa Formosa decidem manter greve

Published

on

Em reunião no início da manhã desta terça-feira (28/03), os professores da rede estadual de ensino da cidade de Lagoa Formosa, decidiram continuar em greve por tempo indeterminado. A paralisação que teve início na segunda-feira (20/03) tinha previsão de término nesta terça (28), mas diante da situação e pela falta de respostas por parte do governo federal, os educadores optaram por se manterem parados. Após se reunirem ás 09h00 na Escola Estadual Coronel Cristiano, os professores foram até o Sindicato dos Servidores e conversaram com o presidente para pedir também o apoio do município.


De acordo com informações do professor Thiago Brás, na próxima sexta-feira (31/03) está agendado uma nova reunião entre os educadores das duas escolas para discutir sobre o fim ou não da greve. “achamos que a PEC 287 que aumenta o tempo de contribuição para aposentadoria de professores para 48 anos é desumana e que não reflete nossa realidade, e a nossa exigência é a não votação da reforma” disse o professor. Ele ressaltou que na terça-feira (21/03) os educadores em greve juntamente com outros trabalhadores estiveram na Câmara dos Vereadores pedindo apoio do legislativo lagoense, e aproveitaram para explicar sobre os reais motivos da greve.

Um dos pontos da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287/2016, do atual governo, é que seja estabelecida idade mínima de 65 anos para os benefícios, eliminando a concessão por tempo de serviço. O valor da aposentadoria, de acordo com o projeto, passará a ser calculado levando-se em conta 51% das maiores contribuições com 1% adicionais a cada ano de contribuição. Na prática, isso faz com que seja necessário trabalhar formalmente por 49 anos para obter o benefício integral. Além disso, a PEC liquida a aposentadoria especial dos professores, que hoje podem encerrar a carreira com 25 e 30 anos de serviços para mulheres e homens, respectivamente.

Os diretores das escolas grevistas disseram que mais de 1500 alunos estão sem aulas, mas que será analisada a melhor forma de reposição para que os estudantes não saiam prejudicados.

Fonte: Patos 1

Um site de notícias de Rio Paranaíba e região com precisão e responsabilidade.